MARE NOSTRUM, MARE ALIENUN: identidade, epistemologia e a imaginação flusseriana dos fluxos

Na próxima semana, o pesquisador Erick Felinto irá apresentar na Compós 2018.

 

O tema da identidade e seus desdobramentos na cultura digital tem emergido de forma relativamente marginal nos estudos de comunicação no Brasil. Este artigo propõe explorar determinados aspectos do pensamento de Vilém Flusser sobre identidade e alteridade na contemporaneidade. Ao mesmo tempo, propõe-se realizar uma leitura do imaginário dos fluxos e da liquidez que, segundo cremos, atravessa parte da obra flusseriana e encontra expressão máxima em Vampyroteuthis Infernalis. Na filosofia da ficção de Flusser, elabora-se uma ética da relação com a alteridade, que se funda no ato imaginativo de tomadas de ponto de vista e identificação com o outro. Tal ética encontra ressonância em proposições bem mais recentes nos campos da teoria cultural e da filosofia.

Quarta-feira, 6/6 | TARDE • 14h às 18h • Ed. PIC Cidade • sala 1203 (12º andar) – BH / MG

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s